Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marakuya

Blog de moda com dicas úteis e sugestões de looks.

Marakuya

Blog de moda com dicas úteis e sugestões de looks.

05
Set19

Fast Fashion x Vintage

Carolina Figueira Gaifem

Fast Fashion vrs Vintage.jpg

Longe estão os tempos onde se consumiam duas coleções de roupa por ano: Primavera/Verão e Outono/Inverno. Actualmente, esperam-se até 52 novas coleções durante um ano, surgindo semanalmente novos artigos nas lojas.

Neste ritmo de consumo/produção, a Fast Fashion viu o seu crescimento impulsionado nos últimos anos e o consumidor comum já se habituou a encontrar “new arrivals, every week”.

Esta nova tendência amplifica stocks, porém restringe os tamanhos disponíveis para compra e levanta grandes questões sustentáveis a nível mundial uma vez que estimula o trabalho escravo e infantil em países subdesenvolvidos, proporciona o aumento de produção de resíduos, emissão de gases poluentes, consumo de água, entre outros.

A recorrência à Fast Fashion deve-se, na sua maioria, à necessidade que o consumidor tem de usar as actuais tendências de moda a um preço mais acessível. No entanto este valor encontra-se de certa forma sobrevalorizado comparativamente à qualidade de algumas das peças de roupa devido a matéria prima, corte da peça, costuras e remate.

Se pensarmos que algumas peças de roupa onde o custo de produção ronda os 0,50€ chegando ao consumidor final por valores entre 30-50€ e contabilizando que o trabalhador recebeu abaixo dos 0.10€ pelo seu dia de trabalho, facilmente imaginamos as condições em que estes seres humanos vivem e trabalham.

Analisando o período de vida de uma peça de Fast Fashion, este rondará as cinco utilizações, em média, gerando até 400% mais de emissões de carbono comparativamente a peças comuns com durabilidade de utilização de até 50 vezes e tirando partido do facto de que a moda é cíclica. Será então mais vantajoso para o consumidor apostar em roupa mais ecológica reutilizando/reciclando a mesma?

Nesse sentido, encontramos lojas de roupa em segunda mão com peças intemporais, assim como lojas denominadas de Slow Fashion, onde se optam por peças monocromáticas com cortes clássicos. O conceito de um guarda-roupa cápsula cresce a cada dia e até algumas influênciadoras mundiais na área da moda já se renderam à reutilização de peças Vintage de grandes criadores internacionais.

Esta temática é ainda muito sensível para alguns de nós, porém devemos ganhar cada vez mais consciência na hora de comprar uma peça de roupa. Primeiramente devemos enquadrar a nova peça no nosso guarda-roupa actual, prespectivar se será uma peça que será usada frequentemente ou se se trata apenas de um impulso do momento ou estado de espírito.

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D